Nossa Rotina

Oi gente!

Hoje eu quero contar como é nosso dia-a-dia. Ainda não vou entrar nos comentários sobre o método, porque acho importante vocês perceberem que, independentemente do tempo disponível, dá pra aplicar os ensinamentos da Fly chefona, rsrsrsr.

Vamos lá!

Durante a semana nós precisamos sair de casa as 6:50h para ela chegar na hora certa no colégio. Isso me obriga a acordar diariamente as 5:00h e acordá-la as 5:30h. Nossa, tão cedo? Pois é! Dou quase uma hora e meia pra ela se acordar, tomar banho e tomar café, e ainda assim nos atrasamos quase todos os dias (!!!). Minha pequena é extremamente dispersa e quer fazer TUDO quando acorda. Quer ler um gibi, quer montar um quebra-cabeça, quer assistir “só um pouquinho” de TV, e por aí vai… Isso é um grande problema pra mim. Fico mega estressada porque quero otimizar o tempo e detesto me atrasar. Resultado: viro a mãe chata que reclama o tempo todo 😦 .

Para que ela acorde tão cedo, preciso que ela durma também muito cedo. Então, de domingo a quinta ela tem que estar na cama as 20:30h. Sem negociação! Mas ela ODEIA dormir, rsrsrs (ela nem imagina como os adultos adoram ter uma oportunidade pra dormir um pouco mais, hein?). Mais uma vez, entra em ação a mãe chata que não deixa ela terminar de assistir o desenho que está na metade (e que ela já assistiu 1.457 vezes!).

Sexta e sábado ela tem liberdade pra dormir a hora que quiser, afinal, no dia seguinte não tem aula. Em geral ela não consegue dormir muito tarde (graças a Deus!) porque, assim como a mãe, é suuuper matutina. Acho que eu conto nos dedos de uma mão as vezes que ela acordou depois das 7 da manhã. O problema é naqueles fins de semana que eu quero dormir um pouquinho mais e ela vem na maior euforia me chamar pra ver o sol nascer com ela <3. Mas quando eu estou muito cansada, fico na cama mais um pouquinho e ela fica assistindo TV ou lendo um pouco.

Nos dias de aula, eu deixo ela na escola e de lá vou trabalhar. Minha mãe vai busca-la e vai pra nossa casa ou pra dela, depende da combinação que as duas fazem. Não me meto nessa seara! Quando elas vão para a casa da minha mãe, eu vou lá assim que saio do trabalho, as 17h. Às vezes, só pego ela e já vamos pra casa, outras vezes ela quer terminar de ver um bendito desenho, e outras meus pais querem conversar um pouco e acabamos jantando lá. Então, varia muito a hora que chegamos em casa. Mas tento não chegar depois das 19:30 porque ainda preciso checar as tarefas da escola antes dela dormir. Quando elas ficam na nossa casa, chego por volta de 17:30 e minha mãe vai logo embora. Algumas vezes ela fica para jantar.

Quando chegamos em casa eu preparo o jantar, nós jantamos, se tiver faltado terminar alguma tarefinha ela já faz, dependendo do horário, ela ainda assiste um pouco de TV ou brinca um pouco, depois se organiza pra dormir (xixi, banho, escovar dentes e camisola). Eu costumo ler ou contar uma historinha pra ela e ficar no quarto até ela dormir. E aqui está o meu calo. Geralmente eu durmo com ela! Dependendo no meu cansaço, demoro mais ou menos para me acordar e ir cuidar da casa. Consequentemente, em geral eu acabo indo dormir por volta de meia-noite.

Como vocês podem perceber, temos pouquíssimo tempo juntas. Então, evito fazer serviços domésticos enquanto ela está acordada. Mas é importante que ela me veja fazendo as coisas pra não achar que tudo se arruma só e entender que se ela bagunça e não arruma, eu vou ter que arrumar e nosso tempo juntas fica menor ainda. É uma equação difícil de equilibrar.

Os finais de semana ela passa um comigo e um com o pai, assim como os feriados. Quando ela está com ele, eu aproveito para fazer as coisas que são mais práticas sem criança.

Em linhas gerais essa é nossa rotina. Agora eu quero saber a de vocês. Me contem! Vou adorar ter ideias para melhorar meu dia-a-dia com minha pequena.

Beijos e até a próxima!

Anúncios

Começando…

A decisão de escrever um blog surgiu da vontade de compartilhar com outras mães a minha mais recente tentativa de implantar o sistema Fly Lady, dessa vez morando só com a minha filha de 6 anos.

A minha primeira tentativa no sistema aconteceu alguns anos atrás, quando eu ainda era casada. Minha casa era uma eterna bagunça. Nunca fazíamos refeições na mesa porque ela estava sempre cheia de tralhas. O nosso computador quebrou e a mesa, que ficava em nosso quarto, virou mais um foco de tralha. O cesto de roupas sujas do banheiro ficava sempre esborrando até eu ter tempo de lavá-las (geralmente no fim de semana). Minha cama vivia desarrumada, embora aquilo me incomodasse bastante, minha pia nunca ficava sem pratos. Um caos!!! E aquilo me incomodava muito. Mas não consegui implantar o sistema. Acho que aquela bagunça era um reflexo da minha vida, do meu estado emocional. Enfim, o motivo exato eu não sei.

Atualmente moro com minha filha num apartamento pequeno, mas que eu considero suficiente para nós duas. No divórcio eu deixei quase tudo para trás. Praticamente só trouxe minhas roupas, meu documentos, alguns objetos que tinham algum valor sentimental pra mim, metade das roupas dela e metade dos brinquedos. Resultado: eu destralhei minha vida. De uma forma não-planejada, é verdade. Sinto falta de algumas coisas que eu não trouxe. Me arrependo profundamente de não ter trazido coisas necessárias para minha nova casa e que eu ainda não consegui adquirir. Mas isso é outra história…Vamos voltar para o foco.

O método Fly Lady nos ensina que precisamos destralhar para poder organizar. Talvez por isso dessa vez esteja sendo mais fácil.

Meu objetivo aqui é compartilhar com vocês minha evolução no método e, principalmente como eu tenho envolvido minha filha na organização da casa, ensinando para ela a importância de mantermos nossa casa organizada, os benefícios disso para nosso dia-a-dia e para o nosso relacionamento.

Espero que os posts sejam úteis e que vocês contribuam trocando experiências e dicas. Não tenho nenhuma experiência sobre blogs, mas me comprometo a melhorar a cada dia. Conto com vocês.

Beijos para tod@s Continuar lendo Começando…